quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

'Violência indireta' dificulta acesso de equipes de centros de referência em bairros de Feira

Moradores de regiões periféricas de Feira de Santana têm orientado equipes de Centros de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e de Centros de Referência de Assistência Social (Cras) a evitarem algumas áreas dos bairros. De acordo com a coordenadora de uma das unidades do Cras, a assistente social Bruna Bastos, condôminos do programa Minha Casa, Minha Vida são os mais afetados. As razões para a recomendação de evitar o acesso, segundo ela, são a violência o tráfico de drogas. “A violência ocorre de forma indireta, geralmente somos bem recebidos. Quando há uma situação que a gente visualiza que existe perigo para a equipe técnica, somos sinalizados pelos moradores. Por isso a gente sempre pede, sempre que possível, que as pessoas encaminhem a família para a gente, pois quando realizamos essa visita, desconhecemos aquele território inicial e não sabemos o que vamos encontrar”, afirmou Bastos, em entrevista ao site Acorda Cidade. Conforme o relato da assistente social, bairros com maiores índices de criminalidade são considerados mais perigosos para a realização de visitas por equipes dos centros de referência. (BN)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO: Não serão aceitos comentários com teor ofensivo, difamatório ou contendo palavras de baixo calão.