APERTE O PLAY! Ouça a radio web que é sucesso VIBEMIX

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Detector de terremotos funciona 2 mil anos depois de criado

Quem visita o Museu da História da China em Pequim se depara com o que parece ser um caldeirão ornamentado com dragões e cercado de sapos, todos de boca aberta. O exótico objeto, considerado o primeiro sismoscópio da história, foi projetado há mais de 1.800 anos por aquele que pode ser considerado um precursor de Leonardo da Vinci: o poeta, escritor, astrônomo, matemático, cientista, cartógrafo, geógrafo, engenheiro, físico e inventor chinês Zhang Heng.  Ele apresentou seu dispositivo à corte imperial na capital de Luoyang, em 132 dC.  O dispositivo consistia em um gigantesco vaso de bronze com cerca de dois metros de diâmetro; a adorná-lo, oito dragões rastejantes. Acredita-se que, dentro do corpo oco do sismoscópio, havia um pêndulo flanqueado por mecanismos de alavanca conectados a cada um dos dragões. As ondas de choque de um terremoto levariam o pêndulo a balançar, ativando o mecanismo interno. 

O dragão correspondente, então, soltaria sua bola diretamente dentro da boca do sapo à sua frente, informando à corte que não apenas ocorrera um terremoto, mas de qual direção viriam os tremores. Cada par de dragão e seu sapo correspondente estava relacionado a um ponto da bússola, para que o governo soubesse para onde enviar ajuda.
Em 138 d.C., segundo relatos da época, quando se ouviu o som de uma bola caindo na boca de um sapo, muitos no palácio real duvidaram que o dispositivo pudesse realmente fazer o que prometia. Dias depois, um mensageiro chegou com a notícia de que a região onde hoje se encontra a província de Gansu tinha sido sacudida por um grande tremor de terra – exatamente a direção para a qual apontava o dragão que cuspira sua bola. (Mega Curioso)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO: Não serão aceitos comentários com teor ofensivo, difamatório ou contendo palavras de baixo calão.