segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

‘Lula não é cabo eleitoral para mais ninguém’, diz Jair Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro, declarou em entrevista ao Poder em Foco que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “já é carta fora do baralho” para as eleições de 2022. Segundo o militar, o petista “não é cabo eleitoral para mais ninguém”.

“Olha, o Lula, mesmo que ele não vá à prisão e continue em liberdade, já está condenado em 2ª Instância. Não vai disputar as eleições. Ele não é cabo eleitoral para mais ninguém. Quando eu andava pelo Brasil na pré-campanha, era recebido nos aeroportos por milhares de pessoas. A imprensa não noticiava isso. O Lula agora, nas suas poucas andanças pelo Brasil, é criticado, é vaiado. Então, eu acredito que o Lula já é uma carta fora do baralho”, afirmou Bolsonaro.

As declarações foram dadas em entrevista ao jornalista Fernando Rodrigues, apresentador do programa Poder em Foco, uma parceria editorial do SBT com o jornal digital Poder360. A gravação foi realizada na última 2ª feira, dia 16 de dezembro de 2019.


O ex-presidente Lula foi condenado em 2 processos da Lava Jato em 2ª Instância, no caso do tríplex do Guarujá e no do sítio de Atibaia. Pela Lei da Ficha Limpa, é inelegível.

Apesar de descartar Lula da disputa presidencial em 2022, Bolsonaro diz que o PT ainda exercerá sua influência: “Até porque são especialistas em mentir. É o tempo todo mentindo e criando factoides. Esses sim, são fake news. Então, uma parte da população ainda vai ser levada a votar na esquerda”. 

O militar diz, no entanto, que “a esquerda não terá a mínima oportunidade”.

O capitão reformado do Exército fez 1 balanço de seu 1º ano de governo durante a entrevista, gravada no estúdio do SBT, em Brasília. Exaltou o desempenho da economia, com baixa taxa de juros, inflação controlada e risco Brasil caindo para níveis do início da década.

A respeito de criar 1 imposto sobre transações eletrônicas, não negou. Mas disse que “isso tem de ser muito bem discutido com a sociedade, acalmando a sociedade”, e que seria necessário eliminar algum tributo para colocar uma eventual CPMF no lugar. Preferiu não detalhar: “Nem se toca nesse assunto para evitar ter uma manchete no Natal de que eu quero recriar a CPMF. Isso não é verdade”.

Ao falar a respeito de sua atual encarnação liberal-econômica, relata que a conversão se deu depois de conhecer Paulo Guedes em 2018, na fase de sua pré-campanha a presidente: “Fui estatizante e ele me convenceu. Nessa questão econômica me converti. O ser humano evolui”.

A retórica belicosa e cheia de referências a instrumentos da ditadura militar, segundo Bolsonaro, deve ser entendida como “força de expressão”. Do seu jeito, ele explica:

“São forças de expressão. Devem ser evitadas? Sim, devem. Mas eu de vez em quando escorrego. Eu estava lá em Palmas e falei: ‘Se 1 ministro meu for pego em corrupção, eu boto no pau de arara’. Eu usei uma força de expressão inadequada. Quer que eu faça o quê? Devo ser cassado por causa disso? Devo responder a 1 processo de impeachment por causa disso? Agora, se eu tivesse falado em carro-bomba, que é especialidade da esquerda? Eu poderia ter falado em carro-bomba”.

E não seria bom refletir mais e evitar essas expressões? “Mais do que falar são seus atos. Em algum momento eu propus algum controle social da mídia, como o PT fez no passado? Foi aprovado há poucos dias [projeto] para triplicar a pena para quem comete crime de calúnia, difamação e injúria nas mídias sociais. Triplicar! [Haverá] veto da minha parte”.

Bolsonaro segue defendendo o voto impresso para 2022. Espera ter apoio para a proposta por parte do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ): “Ele falou que é simpático a esse tipo de votação”.

Sobre eleições municipais de 2020, disse que pode manifestar apoio a algum candidato e vir a “subir em 1 palanque”. Mas ainda não declara quem deve apoiar em São Paulo. Descarta apoio à deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) –antiga aliada que deve disputar a prefeitura da capital paulista: “Boa sorte para ela”.

O presidente acha “muito difícil” que seu novo partido, o Aliança pelo Brasil, fique pronto para disputar cargos em 2020. Nesse caso, vai escolher alguns candidatos para apoiar em outras legendas, sobretudo nas capitais. Citou proximidade com o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), sinalizando uma possível aliança na capital da Bahia.

E 2022? O presidente não poderia ser mais direto: “Se eu estiver bem, eu disputo a reeleição”.

Bolsonaro acha que seu governo merece nota 7 pelo desempenho neste 1º ano de mandato. Para ele, faltou mais articulação –reflexo da “inexperiência de alguns ministros”. Não mencionou nomes.

Durante cerca de uma hora de conversa, Bolsonaro elogiou a atuação dos ministros Paulo Guedes (Economia), Marcelo Álvaro Antônio (Turismo), Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), Abraham Weintraub (Educação), Ricardo Salles (Meio Ambiente), Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura), André Mendonça (Advocacia Geral da União) e Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública).

Sobre mudanças na Esplanada em 2020, diz que, por enquanto, “não há intenção, mas pode acontecer de uma hora para outra”, tanto por deficiência de desempenho ou se aparecer algum caso de corrupção. Negou, entretanto, que ministros como Abraham Weintraub, Bento Albuquerque (Minas e Energia) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) estejam para ser dispensados, como foi publicado pela mídia em semanas recentes.

A respeito de privatizações em seu governo, descarta a venda da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil. A Petrobras, indica, deve ficar mais enxuta. Sua ideia é “privatizar algumas subsidiárias” da estatal.

A venda dos Correios é certa. No caso da Eletrobras, afirma ser inevitável a privatização, pela incapacidade do governo de investir no setor.

O chefe do Executivo diz ainda que o Estado não tem recursos para ampliar a rede de gasodutos no Brasil e dar vazão à produção do pré-sal para o interior do país. Isso deve ficar para a iniciativa privada. Cita nessa resposta o Novo Mercado de Gás.

Bolsonaro confirma que André Mendonça, titular da AGU, é forte candidato a ser o seu 1º indicado para uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal): “É fato”.

O presidente escolherá 2 nomes para o Supremo em seu mandato. O 1º indicado deve substituir Celso de Mello, que em 1º de novembro de 2020 completa 75 anos, idade na qual os membros da Corte são obrigados por lei a se aposentar. O 2º indicado deve ir para a cadeira de Marco Aurélio, que completará a idade limite em 12 de julho de 2021.

Indagado sobre Sergio Moro ocupar uma cadeira no STF, Bolsonaro declara que nunca teve compromisso em relação a isso. A ideia, reafirma, é que o 1 dos indicados seja evangélico. A decisão seria uma resposta à criminalização da homofobia, decidida pelo Supremo em 13 de junho de 2019.

Bolsonaro chama de “fake news” reportagens que o acusam de ser “homofóbico, racista, fascista, de não gostar de nordestino, xenófobo”. Afirma que em seu governo “não há perseguição a minorias”. E repetiu uma ressalva, sempre presente em suas declarações: “Só não queremos que a minoria dite as regras para nós, maioria”.

O presidente nega que tenha câncer de pele. Em 11 de dezembro, Bolsonaro foi submetido a 1 procedimento para “retirar lesões verrucosas” na face e na orelha no Hospital da FAB (Força Aérea Brasileira) para investigar uma possível suspeita de ter a doença.

Questionado sobre ter reclamado da mídia que apenas havia noticiado o que ele próprio dissera, afirmou que alguns veículos deram destaque ao fato, enfatizando a possibilidade de câncer, e que essa ênfase seria “fake news”.

Sobre política externa, Bolsonaro afirma que a tendência é o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não sobretaxar o preço do aço e do alumínio brasileiro. “Foi sobretaxado o aço ou o alumínio? Não foi. Então, o Trump pode ter tido feito aquele tipo de declaração em 1 momento de falta de mais números na frente dele”, declara.

LEIA TRECHOS DA ENTREVISTA
Eis a transcrição de trechos da entrevista de Jair Bolsonaro, gravada em 16 de dezembro de 2019 (o que está em “itálico” é fala do presidente):

ECONOMIA
O aspecto positivo são os números. A menor taxa Selic que se podia imaginar, em 4,5%, o Risco Brasil lá embaixo, uma inflação na casa da média da projeção. Isso estimula as pessoas a investir. Quem cria emprego não sou eu. Quem cria emprego é a iniciativa privada. Eu só crio emprego quando crio cargos de comissão ou [quando]

abrir 1 concurso público. Praticamente não fizemos isso neste ano.

Devemos completar 1 ano com mais ou menos 900 mil empregos criados, quase 1 milhão. Para quem estava em uma taxa crescente de desemprego, esses são números muito auspiciosos. Também a confiança do mundo. O mundo todo quer conversar conosco, tem conversado, tem sinalizado com investimentos. Esse é o fator mais positivo do meu governo.

NOTA 7 PARA O GOVERNO
Que nota daria ao seu governo?Vou ser modesto: 7. Não fizemos mais foi porque faltou talvez uma maior articulação com alguns outros setores da sociedade. Também a inexperiência de alguns ministros. Agora, estamos perfeitamente afinados. Creio que possamos pegar uma nota 8 em 2020.

LIBERALISMO ECONÔMICO: “O SER HUMANO EVOLUI”
Como se deu sua conversão ao liberalismo econômico?É da formação militar ser estatizante. Não nego isso. Muitas votações minhas foram nesse sentido no passado. Por ocasião da pré-campanha eu conheci o Paulo Guedes. Fui ver 1 pouco da vida do Paulo Guedes, que nunca esteve em governo nenhum e é uma pessoa que tem nome dentro e fora do Brasil. E ele me convenceu. Então eu falei: ‘Paulo, 100% da economia é contigo’. Então, nessa questão econômica me converti. Porque o ser humano evolui. Não pode ficar batendo em uma tecla de algo que porventura esteja errado. E, graças a Deus, tudo está dando certo com o Paulo Guedes.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: “UMA QUIMIOTERAPIA”
Fizemos uma reforma da Previdência que não deixa de ser uma quimioterapia. Foi profunda. E 1 dos grandes cabos eleitorais nossos dentro do parlamento foi o Paulo Guedes.

PRIVATIZAÇÕES
Correios

Acredito que a privatização mais importante são os Correios. Os Correios serviram de foco de corrupção para 1 projeto de poder da esquerda no passado. Onde existe monopólio não tem como não dar certo. E tem dado errado. Acho que essa é a mais importante que temos pela frente.

As demais privatizações não são fáceis. Não é com numa canetada que você resolve e privatiza uma empresa ou outra. Essas questões estão sendo muito bem encaminhadas pelo Salim Mattar

[secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia]. Acredito que no ano que vem [2020] começa já a aparecer 1 número bastante razoável de privatizações no governo.

Eletrobras
A gente vai vendendo por partes, no meu entender. Hoje em dia, se você partir para uma forma de privatização o sistema entra em colapso. Não temos como investir, então somos obrigados… Você não tem nem que discutir se deve ou não, você não tem outra alternativa.

CEF e BB: vai privatizar a Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil?Fora de cogitação!

Vai privatizar a Petrobras?Algumas subsidiárias a gente vai, sim. A ideia é privatizar.

Quem vai construir gasodutos do pré-sal para o interior do país?O Estado não tem recurso para tal. Tem que ser a iniciativa privada. Não temos alternativa, não tem que discutir isso aí.

A NOVA CPMF
Como pode ser a CPMF?Você pode até criar 1 imposto desde que você extinga outros. O Marcos Cintra estava conduzindo a proposta de recriar a CPMF [Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira] extinguindo outros impostos. Poderia ser uma proposta nesse sentido. Ele abortou. Mas o que acontece? Você tem que ganhar 1º a guerra da informação. Você tem que falar para o pessoal: ‘Olha, vai ser criado isso, criado aquilo, e do outro lado vai deixar de existir aquilo’. Você teria como fazer isso aí. Agora, ele [Cintra] queimou a largada.

Conselho a Paulo GuedesEu falo para o Paulo Guedes: ‘Não fala em reforma, fala em simplificação tributária, que é o que nós precisamos’. Eu fiquei 28 anos dentro do Parlamento. Não se conseguiu avançar em nada nessa questão. Por quê? Porque querem reformar nos Estados e municípios. E não dá certo. Então vamos tratar apenas do que for possível dos tributos federais que nós vamos avançar”.

Mas vai ter CPMF com a extinção de algum imposto?Isso tem de ser muito bem discutido com a sociedade, acalmando a sociedade. Se não, nem se toca nesse assunto para evitar ter uma manchete no Natal de que eu quero recriar a CPMF. Isso não é verdade.

Programa “Minha 1ª Empresa”É difícil ser empresário no Brasil. É difícil ser patrão. As pessoas sempre defendem o empregado porque tem uma massa de votos. Agora, você não pode falar em criar emprego se não colaborar com quem queira empreender no Brasil. É muito simples. Até tenho falado com o Paulo Guedes: temos de ter 1 programa ‘Minha 1ª Empresa’ para que todos aqueles que acham que deviam ganhar mais (quem é empregado ou está desempregado) tenham a oportunidade de abrir sua empresa e ver a dificuldade que é ser patrão no Brasil.

EDUCAÇÃO NO BRASIL: “PÉSSIMA”
Como está a educação no Brasil? Como está a instrução no Brasil? Está péssima.Na prova do Pisa, o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, estamos num dos últimos lugares da América do Sul. Isso já está sendo mudado. Agora não vai ser de uma hora para a outra.Uma garotada não sabe regra de 3: se US$ 1 vale R$ 4, então US$ 3 valem quantos reais? Metade erra. Metade quando lê 1 texto e termina o 2º parágrafo, você pergunta: ‘O que você entendeu do 1º?’. Ele não sabe.

EMPREGOS PARA JOVENS
A MP do Programa Verde e Amarelo pode ser rejeitada. E aí?Aí a gente volta para o zero. Qual é a ideia? É facilitar a vida de quem emprega. Hoje em dia o salário no Brasil é pouco para quem recebe e muito para quem paga. O trabalhador vai ter que decidir 1 dia: ‘Menos direito e emprego ou todos os direitos e desemprego’. Essa é uma verdade. E é duro você conviver com a verdade no Brasil. Cada vez que eu digo uma verdade aqui eu levo uma pancada, levo tiro. A oposição se aproveita, dando a entender que com eles estava muito bom. Essa não é a verdade. O mundo evolui. Se nós não produzirmos algo mais competitivo para você poder exportar, você vai continuar vivendo de commodities.

Fraudes no seguro-desempregoOutra verdade que todo mundo sabe, mas vão me criticar. O que há de fraudes [no seguro-desemprego] é inimaginável. O pessoal pega o empregado dele e diz: ‘Olha, você vai ser demitido, vai ganhar seguro-desemprego, vou te pagar menos por fora por tanto tempo e depois você volta para o serviço’. É isso o que acontece. Você tem que acabar com isso. A gente vive de enganação no Brasil.

Emprego nos EUAO pessoal fala do emprego nos Estados Unidos. Quem vai pra lá não tem direito nenhum. Nem a férias. Ninguém está pensando em acabar com férias aqui, não. Mas lá não tem direito nenhum e quando o cara está lá trabalhando não quer voltar para o Brasil. E eu nunca vi nenhum americano vir para o Brasil e falar: ‘Eu estou indo para lá porque lá tem estabilidade no emprego’ ou ‘lá tem uma CLT’.

MEIO AMBIENTE: “É BRIGA COMERCIAL”
A questão ambiental, do Ricardo Salles, é uma briga comercial. O pessoal tem que entender isso. O que está em jogo? É o comércio no mundo. Reparou que só o Brasil já levou pancada? Mais ninguém leva pancada? Eu desconheço outro país que está apanhando. Quando se fala da Amazônia, alguns países querem relativizar a sua soberania. É lógico, ninguém está preocupado com a floresta. Está preocupado com o que tem embaixo da terra.

MORO E PROJETO ANTICRIME
O Sergio Moro abriu mão de 22 anos de magistratura para vir comigo. Ele não trabalhou na minha campanha e nem na pré-campanha. Eu conversei uma vez por telefone com ele em 2017. A presença dele tem ajudado a inibir a criminalidade no Brasil. Uma das grandes obras dele foi a questão de separar a cabeça do crime organizado do restante.

O projeto anticrime vai ter reflexo. Quando você passa para 40 anos a pena máxima, dificulta os saidões. Esse pessoal que quando sai nesses saidões e grande parte comete crimes, não vai cometer mais. E quando o elemento souber que as férias dele na cadeia vão ser majoradas, ele vai pensar duas vezes antes de cometer o crime.

TURISMO E VISTO LIBERADO PARA AMERICANOS
O Turismo está dando certo. Os números estão aí. O mundo está vindo mais para cá. A iniciativa de não exigir a reciprocidade de vistos de alguns países foi do Marcelo Álvaro Antônio [ministro do Turismo], bem como do Gilson Machado, que está na Embratur. Alguns já me atacaram: ‘Ah, tinha que valer daqui para os Estados Unidos, não só dos Estados Unidos para cá’. Ô, meu Deus do céu. Ninguém dos Estados Unidos quer vir para cá para ficar aqui. Agora, muitos daqui teriam a intenção de ir para ficar lá. Os números são fantásticos. Quase que dobram as reservas, a confirmação de reservas que estamos tendo ao longo dos últimos meses.

TROCA DE MINISTROS: “NÃO HÁ INTENÇÃO, MAS PODE ACONTECER”
Pretende trocar ministros?Se tiver necessidade, sim. Agora, eu não posso trocar 1 bom ministro porque seria 1 péssimo exemplo para os demais bons ministros. Na última semana foi o da Educação. Na penúltima, foi o Ramos, da Secretaria de Governo. O Ricardo Salles, também. O Bento Albuquerque [Minas e Energia], também –e é 1 ministério difícil o dele. O ministério que tem o maior PIB [Produto Interno Bruto] é o dele.

Inclusive, teve uma notícia de 1 mês e pouco atrás de que eu ia trocar 3 ministros, entre eles o da Casa Civil. E quem estava elaborando a proposta para trocar os ministros era o Onyx [Lorenzoni, da Casa Civil]!

Chegou a esse ponto de ter esse absurdo.

Qual a intenção de alguns setores da imprensa? É dizer que o governo bate cabeça, que não está dando certo, não se comunica, não tem uma política bem definida. É essa que é a intenção, é de desgastar o governo o tempo todo.

Pode haver troca de ministros em janeiro ou fevereiro?Não há intenção, mas pode acontecer de uma hora para a outra. Pode acontecer 1 fato novo. Nós estamos completando o ano sem nenhum caso de corrupção. Pode ser que haja 1 caso de corrupção? Pode. Por que não? 

E troca por desempenho?Por desempenho eu tenho conversado com eles. Toda vez que tem algum problema eu chamo, a gente conversa. É eu e ele. Mais ninguém. E com toda a liberdade para questionar o que eu estou conversando. E temos nos acertado. 

E o sr não vê razão para troca por desempenho num horizonte próximo?

Não. Por enquanto não vejo nenhum problema aí. 

ELEIÇÕES 2020
Se o Aliança pelo Brasil não estiver disponível, como o sr. pretende se posicionar? Vai declarar voto em candidatos a prefeito de outros partidos?Havendo relação de conhecimento entre mim e aquele candidato, que não seja de partido de esquerda, se houver interesse da parte dele, eu posso subir num palanque.

O Aliança pelo Brasil vai ficar pronto?Acho difícil o nosso partido estar em condições de disputar as eleições. Muito difícil. Mas seria até bom, do fundo do coração, eu não participar. Eleições municipais são muito desgastantes. Você arranja muito mais inimizades do que amizade e eu tenho mais 2 anos para governar o Brasil.

Mas o sr. pode então declarar apoio a alguns candidatos?

Pode acontecer, sim. São Paulo nos interessa, Rio de Janeiro nos interessa. Belo Horizonte, Recife.

Nós ganhamos eleições em 5 capitais dos 9 Estados do Nordeste. Então, a gente não pode abandonar isso aí. Eu tenho 1 bom relacionamento com o Antônio Carlos Magalhães Neto

[prefeito de Salvador, do DEM] e gente de vários partidos. Então, a gente espera compor para colaborar e eleger bons candidatos.

JOICE HASSELMANN
Em São Paulo, como ficou? Uma pré-candidata possível é sua agora ex-aliada Joice Hasselmann…

O que eu falei para quem queria virar candidato foi para não queimar a largada. Alguns queimaram a largada. E quando queima, o que acontece com as pessoas, os deputados, senadores, que gostariam de virar candidato naquela capital? Se voltam contra mim.

Então, eu falei para alguns: ‘Esperem o momento oportuno, fevereiro, março’. Alguns saíram na frente, e acabaram se queimando.

Pode haver reconciliação com a deputada Joice?

Depende de até onde foram as intrigas. Até onde 1 engoliu a isca. Eu nunca critiquei a Joice em público. Ela fez críticas enormes a mim, aos meus filhos. Então, ela agora… Ah, boa sorte para ela. Não quero mais discutir o assunto.

2022: “EU DISPUTO A REELEIÇÃO”
O sr. já deu sinais de que deseja ser candidato à reeleição. É isso mesmo?

O que eu falei durante a campanha, pré-campanha, é que se houvesse uma boa reforma política, eu poderia abrir mão da reeleição.

O que é uma boa reforma política? Diminuir o número de parlamentares. De 500 parlamentares passar para 300. De 81 senadores, passar para 50. Seria mais ou menos uma boa reforma política.

Mas como isso nós sabemos que não vai acontecer, se eu estiver bem, eu disputo a reeleição. Se bem que é 1 tremendo sacrifício. Pelo amor de Deus, se alguém acha que eu estou soltando fogos e feliz da vida… Estou cumprindo missão. Estou na situação de 1 militar que sai do quartel para cumprir uma missão. E acho que estou cumprindo de forma, no mínimo, razoável. Eu costumo dizer que posso não ser o melhor presidente do Brasil, agora sou aquele que tem menos pecados.

CHAPA BOLSONARO-MOURÃO: “POR ENQUANTO, ESTÁ INDO BEM”
Se for candidato à reeleição em 2022, a chapa se repete? Bolsonaro e Hamilton Mourão?

Vamos deixar o tempo passar.

Se eu deixar em dúvida agora, o Mourão vai pensar que eu estou com uma amante. E não estou com amante nenhuma. Por enquanto, está indo bem com o Mourão.

Mas o que a gente precisa se eu vier a ser candidato à reeleição? Conversar com o Mourão em 1 canto: ‘Mourão é você ou não é você? Você tem liberdade para compor outra chapa com outra pessoa’. Jogo aberto com ele.

Depende de como estiver o Brasil até lá e da possibilidade de compor com alguém também. O pessoal tem muitas sugestões, apresentam nomes, A, B ou C. Mas isso não é bom discutir agora porque você acaba arranjando fissuras no seu governo.

LULA: “CARTA FORA DO BARALHO”
Em maio de 2018 o sr. falou:  “O 2º turno vai ser entre mim e 1 candidato do PT”. Em 2022, está muito cedo, mas que influência vai ter o PT e o ex-presidente Lula?

O Lula, mesmo que, vamos supor, não passe a prisão em 2ª Instância e ele continue em liberdade, já está condenado em 2ª Instância. Não vai disputar as eleições. Mas ele não é cabo eleitoral para mais ninguém.

Quando eu andava pelo Brasil na pré-campanha era recebido nos aeroportos por milhares de pessoas. A imprensa não noticiava isso.

O Lula, nas suas poucas andanças pelo Brasil, agora ele é criticado, é vaiado.

Então, eu acredito que o Lula já é uma carta fora do baralho.

E a força do Partido dos Trabalhadores, seu maior adversário nas eleições de 2018? O PT terá força em 2022?

Em parte, sim, até porque são especialistas em mentir. É o tempo todo mentindo e criando factoides. Esses, sim, são fake news.

Uma parte da população ainda vai ser levada a votar na esquerda. Mas acredito que, por outro lado, o governo dando certo, pelo que tudo indica, os números estão aí, a economia decolando de fato, a esquerda não terá a mínima oportunidade por ocasião das eleições de 2022.

Há hoje no Brasil mais ou menos uma divisão por 3: há ⅓ que o apoia, ⅓ que fica mais ou menos neutro e tem ⅓ que diz que é contra. Essa divisão por 3 do eleitorado tende a se manter ou o sr. acha que vai haver modificação?

Eu acho que o nosso lado é muito maior do que esse 1/3 do PT.

Eu não estou reclamando de que não sabia como eu ia pegar o Brasil. É igual a 1 casamento. Tem 1 lado que sabe o que está escolhendo, se vai dar certo ou não.

Nós pegamos a economia com uma dívida interna na casa de R$ 4 trilhões. A gente paga de juros por dia 1 pouco mais de R$ 1 bilhão. Olha a dificuldade para você administrar 1 país dessa maneira, com 14 milhões de desempregados, se bem que o número real é muito acima disso. Porque na metodologia do IBGE quem não procura emprego durante 1 ano é tido como empregado, sabemos disso aí.

Pegamos 1 país também com profundos problemas éticos e morais. Corrupção, desgastes dos valores familiares. Eu tenho dito, o governo mudou. É 1 governo de respeito à família, que diz que ao povo que nós devemos fidelidade a ele. É 1 governo que não tem vergonha de falar que acredita em Deus e que respeita os seus militares. Isso não existia no passado, era uma degradação geral dos valores da sociedade.

VOTO IMPRESSO: “MAIA É SIMPÁTICO”
“O que a gente precisa para ter a certeza de que nós podemos, eu ou alguém parecido comigo, ser reeleito em 2022, precisamos do voto impresso. Nós não podemos continuar nessa suspeição de possível fraude por ocasião das eleições”.

Como poderá ser o processo de impressão do voto?

“Já era para ter acontecido isso no ano passado [2018]. O ministro Fux estava tratando desse assunto. Tinha uma lei aprovada nesse sentido. Depois o Supremo resolveu não deixar

que houvesse o voto impresso.

A ideia do ministro Fux era pulverizar o voto pelo Brasil. Como se fosse uma pesquisa, 5% dos eleitores, para ter a comprovação de como eles votaram.

E teve uma passagem no ano passado por ocasião das eleições que me deixou bastante intrigado e vai deixar qualquer 1 aqui… Números bastante redondos, pra deixar bem claro aqui.

Apareceu uma fotografia na televisão sobre a apuração do TSE para presidente da República. Era mais ou menos o seguinte:

no Nordeste, que é base do PT, tinha 80% apurado;
no Sudeste, oposição ao PT, apenas 20% apurado;
nas outras 3 regiões, aproximadamente 60% apurado.
O resultado naquele momento era de 49% pra mim.

Com a tendência, entrando Sudeste, era para a gente ganhar com 55%, 56%. Isso não aconteceu. Foram mantidos os 49%.

Então é 1 grande indício de que poderiam estar mexendo no algoritmo.

Não tinha como fraudar eleições para mim. Quem eu era? Não era ninguém. Eu não tinha Fundo Partidário, não tinha tempo de televisão, não tinha caciques do meu lado, não tinha nada do meu lado. Tinha o povo, obviamente, que é muito importante, e Deus acima de tudo. Então, foi 1 indício muito grande.

Se nós não tivéssemos conseguido –uma história bastante longa, não quero contar aqui pra não complicar– ter acesso à sala cofre do TSE para apurar as eleições, o resultado poderia ser outro.

Mas, presidente… Hoje nós fazemos transações de dinheiro no celular. Mandamos dinheiro, recebemos dinheiro. Compramos coisas pelo celular e sem comprovante em papel. Será que não tem 1 jeito de aperfeiçoar a urna eletrônica para não precisar do papel?

Ela não terá a segurança devida. Tanto é que nenhum país do mundo adota esse critério. Eu estou para ir à Índia [em janeiro de 2020], lá são quase 1,3 bilhão de habitantes. Quase 1 bilhão de eleitores e fazem o voto em papel.

Como seria isso? Haverá 1 projeto que terá de ser apoiado pelo governo e o Congresso vai ter que aprovar?

Eu conversei com o presidente da Câmara, o Rodrigo Maia, sobre esse assunto.

Ele é a favor?

Ele falou que é simpático a esse tipo de votação onde os votos poderiam ser auditados. Para que você tenha certeza, se você votou no João vai para o João, se você votou na Maria, o voto vai para a Maria. O Rodrigo Maia é 1 grande aliado que passamos a ter nesse momento para [aprovar o projeto e] tirar qualquer dúvida sobre o processo eleitoral.

A ideia é apresentar o projeto já agora em 2020?

É, no início do ano que vem. Vou conversar com Rodrigo Maia, Davi Alcolumbre [presidente do Senado] também, não vou ter problema com ele, com toda a certeza, porque eles são os donos da pauta. Eles que botam o projeto em votação. E eu acredito que uma vez botando em votação a maioria dará o sinal verde para o voto impresso.

Em 2020 tem eleição. O ano fica mais curto no Congresso. Será que esse projeto sobre voto impresso não atrapalhará a votação de alguma outra reforma?Vamos supor que a gente não priorize. Você pode aprovar em 2021, porque as eleições vão ser em 2022. Porque no ano que vem não existe mais essa possibilidade do voto impresso. Então, vamos continuar da mesma maneira.

MINORIAS: “NÃO HÁ PERSEGUIÇÃO. SÓ NÃO QUEREMOS QUE A MINORIA DITE AS REGRAS”
Olha a questão da cultura agora com Roberto Alvim [secretário de Cultura]. Mudou. Estão criticando? Sinal de que estamos fazendo a coisa certa. A cultura tem que existir para atender aos interesses da maioria e não de minoria isoladas.

O sr. tem valores conservadores. Muitos, às vezes, reclamam que o sr. não se preocupa com as minorias. Como o sr. responde a esse tipo de observação?

Ninguém está perseguindo as minorias, só não queremos que a minoria dite as regras para nós maioria.

Eu não sou contra 2 homens irem morar juntos, duas mulheres. Vai ser feliz. Agora, querer impor isso nos bancos escolares para criancinhas a partir de 6 anos de idade é inadmissível. Você tem que tratar com respeito as crianças na sala de aula.Você pode ver a questão do Enem [Exame Nacional do Ensino Médio]. O Weintraub, o nosso ministro da Educação, esteve à frente. Não teve nenhuma questão polêmica. A prova do ano passado: a linguagem secreta dos gays… O que me interessa saber a linguagem secreta dos gays? O que interessa para 1 garoto no ano passado e neste ano se interessar por isso também? Não leva a lugar nenhum.“Ah, não teve questão de ditadura na prova deste ano”. Não tiveram mentiras, como tinha no ano passado.E se você botar na prova do Enem que o 1º governo que assumiu o Brasil no período de 64 foi Castello Branco e perguntar: quando ele tomou posse? 31 de março, 1º de abril, 2 de abril ou 15 de abril? Acho que 99% iam errar, porque ensinaram uma história errada. E nem estou falando se foi certo ou errado 31 de março, 1º de abril ou 15 de abril. Eu estou dando 1 exemplo de quando é que o Castello Branco assumiu. Quem é que foi o 1º presidente depois de Castello Branco? Iam errar. Nós temos que saber a verdade da história. Daí, a garotada, os estudantes tirem suas conclusões. E não provas do Enem mentirosas dizendo que a esquerda foi 100% certa e nós fomos 100% errados.

O sr. está dizendo que não há perseguição a minorias. Vou citar uma frase sua da 2ª feira, dia 16 de dezembro. O sr. disse “A cultura tem de estar de acordo com a maioria da população e não com a minoria”. Quando o sr. fala isso muitos pensam que o sr. defende que as minorias tenham acesso a absolutamente nada.Me dá 1 exemplo de minoria?

Por exemplo, os gays.

Olha só. Você sabe se eu sou gay ou não? Eu também não sei se você não é. Então isso é coisa particular nossa. Cada 1 de nós vai ser feliz da maneira que bem entender. Agora, botar na escola a ideologia de gênero é 1 crime. É 1 crime.

Dizer que a criança vai definir seu sexo quando tiver 12, 13 anos de idade, isso é 1 crime. Como era 1 crime há até pouco tempo você perguntar para uma senhora grávida de 7 meses se é menino ou menina. Ninguém perguntava, tinha vergonha de perguntar.

Hoje em dia, eu perguntei a uma funcionária, a uma servidora aqui, se é menino ou menina. Ela falou: “É menina”. Eu não complementei com “o quarto vai ser cor de rosa, azul ou arco-íris”. Isso é questão de maioria.

Um pai quer que o filho vá jogar futebol, que a filha seja professora, advogada, seja lá o que for. Cada 1 tem o direito de educar o seu filho de acordo com a sua cultura. É isso que nós queremos, nada mais além disso.

Olha, é fake news me acusar de ser homofóbico, racista, fascista, de não gostar de nordestino, xenófobo. Ninguém mais sofreu com fake news do que eu. Agora, quando eu pergunto, quando falam em fake news, dá a entender que eu faço muito com os meus filhos. Apresente uma fake news nossa. “Ah, você fez contra o PT”. Contra o PT você tem que falar a verdade, se você mentir você está ajudando o PT. É muito simples isso aí.

CÂNCER DE PELE: “FAKE NEWS”
O sr. fez 1 exame dermatológico. Na saída do hospital o sr. falou: “Olha, tem aí uma investigação para verificar se é câncer de pele”. A imprensa deu essa frase de maneira correta. No dia seguinte, em live no Facebook, o sr. disse que havia uma fake news dizendo que o sr. estava com câncer.É exatamente. É fake news.

Mas foi o sr. quem mencionou esse exame no dia anterior…

É suspeita. Qual é o problema de suspeita diante da verdade comprovada? O sr. está grávido? Está ou não está. Agora levaram para 1 lado do sensacionalismo porque isso daí pode ter algum reflexo na economia. “Se o cara está doente, como é que fica? Vai ficar acamado por quanto tempo? O Mourão assume ou não assume?”.

Ao dizer que o sr. disse que foi investigado o câncer, nesse caso, o sr. está dizendo que a imprensa errou?

Não a imprensa. Alguns órgãos que foram taxativos ao dizer que eu estava com câncer. Estou bem, graças a Deus.

SAÚDE PÓS-FACADA: “TELA DE 25×30 NO ABDÔMEN”
Como é que está sua saúde em geral?

Estou com 64 anos. Tenho 1 passado atlético excepcional. Fui atleta nas Forças Armadas.

Foram 4 cirurgias enormes, onde foi aberto do começo ao fim do meu abdômen, foi tudo colocado para fora duas vezes. Foi cortado 1 pedaço do intestino. Uma das cirurgias durou 7 horas. A barra foi pesada. Estou vivo por milagre. Agradeço a Deus e ao meu passado atlético. E à sorte também, porque a faca passou a poucos milímetros de artérias vitais, perto do estômago, do fígado. Ele

[o esfaqueador Adélio Bispo] deu uma facada e rodou. O problema foi que atingiu muito o intestino. Daí o grande problema que sofri: uso de bolsa de colostomia por quase 4 meses. Não foi 1 pequeno incidente. O cara foi pra matar.

O sr. sente alguma dor, algum desconforto até hoje?

Me deu uma dor há questão de meses atrás, forte. Fiz os exames e havia a possibilidade de aderência em uma das alças. Se isso viesse a acontecer, a chance é pequena, teria de fazer uma cirurgia de emergência. O meu intestino foi colocado para fora duas vezes, completo, tudo para fora, lavado, costurado e remendado. E isso você sente, mexe com tudo.

A dor passou?

Passou. Graças a Deus, passou. Estou com uma tela de 25×30 centímetros no abdômen por uma questão de [evitar o surgimento de] hérnia. O único esporte que posso fazer hoje em dia é natação, nada mais além disso. Não posso correr mais, jogar futebol, que eu gostava. Não posso mais.

O sr. já mencionou que tinha muita apneia. Parava de respirar durante o sono, acordava e voltava a dormir. Como está esse problema?

Sim, recordista. Diminuiu bastante até porque eu trabalhei a minha cabeça. Não consegui dormir com aquele equipamento que dá uma tranquilidade no sono. Mas diminuiu bastante.

Segundo o hospital Albert Einstein, eu sou recordista. Eu fui filmado à noite toda e autorizei a usar a fita para mostrar a quem estiver se especializando nesse assunto para conhecer 1 recordista de apneia. Esse sou eu.

Quantas apneias por sono o sr. tinha?

Estava na base de quase 90 vezes por hora. É 1 absurdo. Eu sei que sou bom de apneia do mergulho. No meu curso de mergulho fiquei 3 horas e 40 minutos no fundo da piscina [o presidente se enganou e corrigiu depois, abaixo; são 3 minutos e 40 segundos]

. Eu sou bom nesse outro tipo de apneia.

Agora essa outra

[apneia do sono] realmente é péssima para sua saúde e te faz muitas vezes acordar cansado. Talvez, por isso, eu tenha que, depois do almoço, dormir todo dia 15 minutos. Se eu não dormir eu não rendo nada.

E o sr. já mediu de novo para ver em que nível está?

Não. Bem, como minha esposa não está reclamando, está achando que eu não ando roncando, então é sinal de que está indo bem.

[após o intervalo da entrevista, o presidente fala que deseja fazer uma retificação] O sr. quer retificar o tempo da sua apneia?

Seria bom, né? [risos] Porque eu sou pescador, mas uma mentira desse tamanho não dá pra acreditar. A minha apneia [de mergulho] foi de 3 minutos e 40 segundos e não de 3 horas.

ANDRÉ MENDONÇA COTADO PARA O STF: “É FATO”
O sr. indicará 2 ministros para o Supremo Tribunal Federal. O sr. tem em mente quem serão esses 2 indicados?

Eu tenho 1 compromisso de que 1, além de competências na parte jurídica, seja evangélico. O outro está em aberto.

Quando o sr. diz evangélico, seria para ter uma representação evangélica dentro do Supremo que hoje não existe. É isso?

Da onde veio isso daí? Quando o Supremo decidiu tipificar homofobia como se racismo fosse. Eu costumo não criticar as decisões do Supremo. Eu tenho que ter governabilidade com os 11 ministros, com o presidente Dias Toffoli, com quem converso com certa frequência e tem nos ajudado em alguma coisa.

O pessoal me critica achando que eu devo criticar o Supremo. Eu não vou criticar o Supremo. O Supremo está lá e eu vou ter direito, se estiver vivo, de indicar 2 com 1 perfil mais voltado para o meu lado, sem querer criticar os 11 que estão lá no momento.

Por exemplo, tivemos 1 problema há 1 tempo atrás, há poucas semanas, de que o 1 navio iraniano que devia ser abastecido no Brasil para voltar ao seu país. E tínhamos 1 problema dos Estados Unidos em cima disso, que não queria o reabastecimento. E o

Dias Toffoli resolveu. Tem esse trabalho discreto por parte do presidente do Supremo. Por que ele? Porque ele é o presidente. Naquele momento, se eu não me engano, estava de recesso, e tinha que decidir, e decidiu da melhor maneira possível para nós. A gente não quer problema também com outros países. Eu quero é impulsionar o mercado do Brasil para o mundo todo, sem o viés ideológico.

Além de 1 ministro evangélico seria o caso também de o sr. pensar em outras minorias, como mulheres ou 1 ministro negro?

Eu acho que não.

A cor da pele, o gênero não tem nada a ver. A gente quer que o Supremo cada vez mais julgue corretamente as ações que cheguem lá no plenário, só isso.

Podem ser duas mulheres, 2 homens ou 2 negros. Não quero também saber a opção sexual do cara. É a competência, e, no caso específico, do evangélico, eu acredito que eles merecem alguém nesse nível. Até porque, eu não sei a religião dos demais, parece que não tem nenhum evangélico ali. O evangélico vai ser uma pequena mudança no perfil, vai levar a discutir algumas matérias que tem a ver com religiosidade.

O ministro André Mendonça, titular da Advocacia Geral da União, é evangélico e tem sido citado como 1 possível candidato. É fato?

É fato.Agora, quero corrigir uma coisa. Ele está sendo criticado como se fosse favorável à ideologia de gênero porque o Supremo decidiu uma questão, se não me engano, de uma lei de Maringá (PR), que proibia a ideologia de gênero dentro de sala de aula. O André não foi favorável à ideologia de gênero, ele foi contra o município legislar sobre a questão educacional. Então ele fez o papel certo dele.

O André é advogado-geral da União. Ele tem que defender a União. E aquilo não é pessoal dele, é a função dele. Em alguns momentos ele não é compreendido e é alvejado nessa questão como não sendo 1 evangélico autêntico. Ele é.

Ele pessoalmente é contra a ideologia de gênero, mas, quando se vê 1 município legislando sobre esse assunto, ele é obrigado a defender que isso é inconstitucional.

O sr. está quase nomeando o ministro André Mendonça, é isso?

Quem sabe. Muita coisa muda, né? Eu gosto dele, despacho quase todo dia, converso com ele.

Inclusive, ele é do Vale do Ribeira (SP), da minha região. Depois de muito tempo que ele foi nomeado é que eu fiquei sabendo que ele era do Vale do Ribeira, de Miracatu. Eu sou do Vale do Ribeira ali do interior de São Paulo. Eu sou de Eldorado

[município onde viveu dos 3 meses aos 18 anos de idade], ali tem várias cidades. Então, aproximou, logicamente, depois que eu descobri isso daí. Aprofundou nossa amizade.

MORO NO STF: “NUNCA TIVE COMPROMISSO”
E a outra vaga para o Supremo? Sergio Moro tem chances de preenchê-la?

Você tem que indicar pessoas que possam ser aprovadas [pelo Senado]

. A votação é secreta. Eu nunca tive 1 compromisso: “Vou indicar o Sergio Moro”.

Eu falei durante a campanha que seria alguém do perfil dele. Pode até ser ele. Agora, ele está fazendo 1 excelente trabalho na Justiça. Se ele continuar fazendo 1 bom trabalho, as chances dele diminuem.

FRASES PRÓ-DITATURA: “ESCORREGA, É FORÇA DE EXPRESSÃO”
Integrantes do seu governo às vezes citam medidas usadas durante o regime militar. O sr. já disse que não tem intenção de se desviar dos rumos da democracia. Não seria conveniente então para integrantes do governo tomar cuidado quando se referem a fatos do regime militar, como se pudessem ser repetidos?

Eu não posso cobrar deles o que de vez em quando eu faço. Acontece.

Sobre o AI-5, meu filho falou. Paulo Guedes falou. Outro dia eu falei “pau de arara”. É 1 linguajar nosso.

São forças de expressão. Devem ser evitadas? Sim, devem. Mas como eu de vez em quando escorrego…

Meu voto por ocasião do impeachment da Dilma [quando defendeu Brilhante Ustra]. Quando acabou meu voto, gente importante, amigo meu, chegou em mim e falou: “Tu não se elege nem a vereador mais no Brasil”. E acontece que eu sou presidente do Brasil.

O sr. está citando o voto porque o mencionou Brilhante Ustra?

Sim, pela memória.

Porque o que eu costumo dizer é que os militares ajudaram a escrever a história do Brasil. Em todos os momentos difíceis os militares estiveram na frente. Alguns perderam a sua vida, outros tiveram a sua reputação arrasada, como o Brilhante Ustra. E resolvi resgatar sua memória naquele momento.

Você sabia que não existiu no Congresso o dia 2 de abril de 64? Porque há poucos anos 1 Projeto de Decreto Legislativo do Psol simplesmente resolveu dizer que não existiu a sessão de 2 de abril de 64, que foi a sessão que tornou vaga a Presidência da República. Eu até disse naquele momento, em discurso na Câmara, que o Stalin apagava fotos, a esquerda apaga fatos, vídeos, histórias verdadeiras.

Não seria o caso de os ministros e o sr. tentarem fazer 1 esforço para não usar essas expressões? Pau de arara, por exemplo.

Eu falei isso aí porque escorregou. Escorregou, aconteceu. Eu estava lá em Palmas e falei: “Se 1 ministro meu for pego em corrupção, eu boto no pau de arara”. Eu usei uma força de expressão inadequada. Quer que eu faça o quê? Devo ser cassado por causa disso? Devo responder a 1 processo de impeachment por causa disso?

Agora, se eu tivesse falado em carro-bomba, que é especialidade da esquerda? Eu poderia ter falado em carro-bomba.

O jornalista Fernando Rodrigues entrevista o presidente Jair Bolsonaro
© Sérgio Lima/Poder360 O jornalista Fernando Rodrigues entrevista o presidente Jair Bolsonaro
Isso pode ser matizado daqui para o final do mandato? Com o sr. refletindo: “Ah, eu não posso falar isso”?

Mas acontece, meu Deus do céu! Escorrega.

O Paulo Guedes falou por que aquilo? Escorregou. Acontece. Lamento. Passou.

Agora, fala-se tanto em democracia… Quantas vezes tentaram cassar meu mandato por ocupar a tribuna da Câmara mesmo tendo o artigo 53 da Constituição dizendo sobre a inviolabilidade por palavras, opiniões e votos? Agora, potencializa do outro lado.

Há pouco 1 vereador no Rio de Janeiro, do Psol, resolveu homenagear Kim Jong-un. Agora, há poucas semanas. Qual a repercussão? Não vi repercussão na mídia.

O sr. está dizendo que às vezes reflete que seria melhor não falar, mas que às vezes escorrega?

Escorrega. Até porque se for pensar, nos meus discursos [escritos] não toco nesse assunto. Até porque eu não quero saber do passado. Eu quero saber do futuro do Brasil.

Não seria bom então nos discursos lidos pelo sr. enfatizar alguns desses valores universais da democracia de maneira ainda mais firme?

Olha, mais do que falar são seus atos.

Em algum momento eu propus algum controle social da mídia, como o PT fez no passado? Em algum momento eu falei em controlar a internet?

Foi aprovado há poucos dias [projeto]

para triplicar a pena para quem comete crime de calúnia, difamação e injúria nas mídias sociais. Triplicar! Veto da minha parte.

Já tem a punição já. Eu não quero triplicar.[Há]

 desproporcionalidade.

É lógico que você falar em pedofilia é outra história, sobre imagens daquele elemento que filma a namorada… Esse aí tem que botar em 1 lugar bastante ruim.

BELIGERÂNCIA CONTRA A MÍDIA
O sr. faz algumas declarações derrogatórias em relação à imprensa ou parte da imprensa. Recentemente, o sr. disse que iria incentivar as empresas que anunciam neste ou naquele jornal a não anunciarem. Nesse caso, acha que é apropriado para o sr. fazer esse tipo de campanha?

Olha o que acontece. A gente vai falar do caso da Val do açaí lá de Angra dos Reis, funcionária minha, fantasma. A Folha de S.Paulo esteve lá no dia 10 de janeiro do ano passado e falou que era fantasma, que vendia açaí etc.

Acabaram com a honra dessa senhora, com quase 50 anos de idade. Nesse dia, no dia 10, ela estava de férias, conforme boletim administrativo da Câmara de 21 de dezembro. Ela estava em férias de 21 de dezembro a 20 de janeiro.

É justo uma imprensa fazer isso? E quando eu apresento uma documentação a imprensa não volta atrás. Continua mantendo a sua posição? É justo a gente ter 1 órgão de imprensa que mente descaradamente como acontece com esse órgão de imprensa?

Mas, nesse caso, o jornal voltou lá num período de trabalho e encontraram a mesma funcionária…

É o que eles alegaram. Filmaram ela? Ela tinha que estar dentro do local de trabalho? Esses servidores nossos que estão espalhados pelo Estado, que eu posso ser servidor em qualquer lugar do Estado, pode fazer trabalho de rua também.Mas não foi só isso. A minha casa em Angra dos Reis, para a Folha de S.Paulo, vale uma fortuna. Vai lá e veja o quanto vale aquela casa em Angra dos Reis. Falo Angra dos Reis, mas é Vila Histórica de Mambucaba, 1 lugar humilde com pessoas bastante pobres naquela região, mas eu me sentia bem quando estava lá. Então, não procede esse tipo de matéria por parte de 1 jornal que ajuda a fazer a opinião pública de todo o Brasil

Ainda assim, o sr. acha que vale a pena, nesses casos, na posição de presidente da República, incentivar empresas a não anunciarem num jornal e pessoas a não assinarem esse veículo?

Foi apenas com esse jornal essa bronca, porque para eles as eleições não se acabaram ainda. Então, no meu entender, acho válido, é liberdade de expressão.

Eu sou 1 ser humano, sou presidente da República. Respondo pelos meus atos. Eu vi há pouco aqui gráficos que a imprensa tem de maneira geral vendido menos jornais pelo Brasil. E isso não é bom.

Agora, o que acontece, quando 1 órgão erra, todos os demais pagam 1 preço por causa disso. Então, eu estou protegendo os demais com esse tipo de declaração, em meu entendimento.

O secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, e Jair Bolsonaro no estúdio da gravação do programa “Poder em Foco”, um parceria editorial do Poder360 com o SBT
© Sérgio Lima/Poder360 O secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, e Jair Bolsonaro no estúdio da gravação do programa “Poder em Foco”, um parceria editorial do Poder360 com o SBT
RELAÇÃO EUA-BRASIL E TARIFA SOBRE O AÇO

O sr. privilegiou a relação do Brasil com os Estado Unidos. Não obstante, houve o anúncio de sobrepreço para o aço e o alumínio brasileiros. A relação tem sido boa?

A relação do Brasil com os Estados Unidos nos últimos 30 anos não foi boa. Nós mudamos esse tipo de relacionamento. Aí eu te pergunto: foi sobretaxado o aço ou o alumínio? Não foi. Então, o Trump pode ter feito aquele tipo de declaração em 1 momento de falta de mais números na frente dele. Pode ter acontecido. Nós sabemos do comportamento dele. Da minha parte, houve alguma crítica no tocante a ele? Não.

O sr. acha que pode reverter isso?

Não é reverter, ele não vai sobretaxar, vai continuar como está, pelo que tudo indica.

QUEM É JAIR BOLSONARO
Jair Messias Bolsonaro, 64 anos, é o 38º presidente da República. Foi eleito em 2018 com 57.797.466 votos.

Nasceu em 21 de março de 1955 em Glicério, no interior de São Paulo, mas foi registrado na cidade de Campinas.

Formou-se em 1977 no curso de formação de oficiais da Aman (Academia Militar das Agulhas Negras), em Resende (RJ), e no curso de paraquedismo militar da Brigada Paraquedista do Rio de Janeiro. Atuou como capitão do Exército no Mato Grosso do Sul, de 1979 a 1981. Em 1983, formou-se na Escola de Educação Física do Exército, também no Rio de Janeiro.

Em 1986, quando servia como capitão no 8º Grupo de Artilharia de Campanha, ganhou projeção nacional ao escrever o artigo “O salário está baixo”, publicado na revista Veja. Dizia que 1 desligamento de dezenas de cadetes da Aman se devia ao valor baixo do soldo e não a desvios de conduta, conforme divulgado pelo Exército. O capitão foi preso por infringir o regime disciplinar, mas recebeu a solidariedade de oficiais e familiares por todo o Brasil.

Em 1987, uma reportagem da revista Veja revelou 1 plano –atribuído a Bolsonaro e ao capitão Fábio Passos da Silva– que tinha como objetivo explodir bombas em unidades da Aman e em quartéis caso o reajuste concedido aos militares pelo governo federal fosse inferior a 60%. A estratégia visava “assustar” o ministro do Exército, general Leônidas Pires Gonçalves, e era planejada para não ter feridos.

Uma sindicância foi realizada pelo Exército e enviada ao STM (Superior Tribunal Militar) com 1 parecer que concluía que os 2 envolvidos deveriam ser expulsos das Forças Armadas. No julgamento, realizado em junho de 1988, os ministros consideraram insuficientes as provas documentais do processo e decidiram não afastar os 2 capitães.

O caso deu projeção a Bolsonaro, o que o levou a concorrer na eleição para a Câmara Municipal do Rio ainda em 1988. Foi eleito vereador pelo extinto PDC (Partido Democrata Cristão). Em 1990, elegeu-se deputado federal. Renunciou ao mandato de vereador e assumiu uma cadeira na Câmara em fevereiro de 1991.

Depois se reelegeu consecutivamente para o cargo de deputado federal nas eleições de 1994, 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014.

O presidente foi casado com Rogéria Nantes Nunes Braga Bolsonaro de 1993 e 2001. Com ela teve 3 filhos: Flávio, Carlos e Eduardo. Seu 2º casamento foi com Ana Cristina Vale, com quem teve seu 4º filho, Jair Renan.

Em 2007, casou-se com Michelle de Paula Firmo Reinaldo, a primeira-dama, com que teve sua 1ª filha, Laura.

PODER EM FOCO
O programa semanal, exibido aos domingos, sempre no fim da noite, é uma parceria editorial entre SBT e Poder360. O quadro reestreou em 6 de outubro, em novo cenário, produzido e exibido diretamente dos estúdios do SBT em Brasília.

Além da transmissão nacional em TV aberta, a atração pode ser vista no canal do YouTube do Poder360 e nas plataformas digitais do SBT Online.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO: Não serão aceitos comentários com teor ofensivo, difamatório ou contendo palavras de baixo calão.